site.png

Rainha angolana do Kuduro, Titica canta nesta sexta-feira na Batekoo

titica.jpg

Hoje é o dia de quebrar o quadril e descer até o chão pra catar o brinco na pista da Batekoo. A festa negra e LGBT comemora dois anos de existência com a presença da rainha do Kuduro, a cantora trans angolana Titica.  A festa acontece np Porto Lab, no Santo Cristo, Zona Portuária da cidade. O hit "Procura o Brinco" ficou ainda mais conhecido por aqui depois que Ludmilla incluiu a música no setlist. 

 

Titica promete um show com uma performance arrasadora acompanhada de seus bailarinos. Não faltarão outros sucessos como "Olha o Boneco", Reza Madame" e "Me Beija só na Boca". , ‘Olha o Boneco’, são alguns dos sucessos que fazem parte do repertório desta apresentação. Ela lançou recentemente seu novo álbum intitulado “Pra Quê Julgar?” pela gravadora independente 360 Música.  A obra está disponível para mais de 200 países em todas as plataformas digitais e vem com 13 faixas, seis delas com participações especiais de grandes nomes da música africana

 

A cantora foi a primeira artista de Angola a assumir sua transexualidade - aos 17 anos -, já foi embaixadora da Unaids Angola, eleita a trans mais influente da África, e chegou a ser citada como referência por Björk, por ser a trans mais influente do continente africano.

 

Seu profissionalismo, sua garra e, principalmente, seu carisma ajudaram na popularização do gênero musical Kuduro, antes marginalizado e também foram ingredientes determinantes na sua luta contra o preconceito. "Hoje, quando falam em dez boas artistas angolanas, meu nome está lá no meio e fico feliz por isso", concluiu a rainha angolana.